quarta-feira, 19 de novembro de 2008

minha morte em cores e recortes.


tenho medo da morte, queria para sempre...sempre...
as vezes tenho medo do amor. angustia que não se acaba nem mesmo ao dormir, tenho medo das palavras sussurradas ao do ouvido, tão verdadeiras quanto minhas fantasias? tomara deus que sim, que faço delas minha realidade.
tenho medo do tempo, que consome meu corpo, assim como os cupins a madeira, a folha que hei de desenhar, se tiver sonhos para isso. posto o passado, agora não posso com pincéis e tintas, disso também tenho medo, de que não volte as cores, as formas, mesmo infantis, como as primeiras formas e se? e se?...

2 comentários:

Anônimo disse...

muito bom esse trabalho. parabens.

beijo, andre

Alvaro Garcia disse...

Andrea, você é muito talentosa!! Eu e a Pati ficamos impressionados com o seu blog e com o seu trabalho! Você escreve muito bem, e suas ilustrações são inspiradoras. Parabens e um beijão, Alvaro e Pati