quarta-feira, 2 de abril de 2014

espera de número 2014 ou para ler em voz quase alta. quase baixa. quase nós.


Buracos negros podem estar em muitos lugares no universo. Segundo a teoria da relatividade, eles são capazes de tragar corpos, estrelas, a própia luz. Nada escapa.

Neste rito de passagem, a força ao redor, que é a energia das paixões, quase me cega, me absorve, mas não me entende, não me devora. Toma meu gozo e sai pela porta da frente, mas me abraças antes de partir, desmaio, quase morro. Nunca olha para trás. Espero.

Do outro lado; o tempo, o tempo. Os dias que transcorrem levam com os segundos, o meu desejo. A cada volta que o ponteiro dá, desapareces mais um pouco.

Um buraco negro nada deixa escapar. No seu coração, o tempo para e o espaço deixa de existir, me refaço e me perco outra vez em espamos, contrações, soluços, batimentos cardíacos, guelras, tic-tacs, devaneios, pisca-piscas, lusco-fusco ai...tantos ais.
Mas...
mês que vem você volta e já me terá refeita, e tomará meu corpo e me levará para longe e me perderei em espaços e voltarei ao vazio.


Paixão, do latim, sofrimento, amor ardente,vício. Do grego, paschein: padecer, adoecer. De paschein deriva pathos, que pode ser emoção como sofrimento ou doença.

A.L.

Nenhum comentário: